quarta-feira, 2 de junho de 2010

SENTINELA, REI E O EUNUCO!

 Jr 37.13,16,17; 38.7-13
Estes 3 personagens fizeram parte da vida do Profeta Jeremias. Nestes últimos dias, tenho pensado sobre algumas pessoas que fazem parte de minha vida. Principalmente nestes últimos dois anos. Algumas situações nos ensinam sobre as pessoas e sobre nós mesmos. Elas nos tornam 'humanos' em profundidade e intensidade. Em momentos adversos é que de fato, podemos avaliar nossos ânimos. R. P. Blackmur falou sobre pessoas que 'mostraram uma força atrativa, intensa e inesgotável e uma força disseminadora que é uma interminável mola propulsora ou uma eterna declaração de valor. O seu pequeno homem é um montículo a ser aplainado (como uma pessoa é) ou uma montanha a ser escavada por todos os lados'. Jeremias foi uma montanha a ser escavada por todos os lados. Ele foi o centro de uma época. Ele foi o principal participante nos eventos que se tornaram o pivô de um milênio. Apesar de ter grande influência, o interesse das pessoas por Jeremias, não está no seu impacto histórico mas sim em seu desenvolvimento pessoal. É possível ser extraordinário ao levar o lixo para fora, tanto quanto ao assinar um documento de negociação, pois não é o que fazemos que nos define 'importantes', mas 'como fazemos'. Certo tempo atrás, conheci uma pessoa que tinha um grande potencial de influência. Tudo o que dizia tinha significado, aparentemente. Sempre bem trajada e portando de uma presença peculiar. Porém, suas exigências rudes e imperativas tornavam-na numa pessoa repulsiva aos que lhe cercava. Nos bastidores, faltava com respeito e agia com arrogância, tratando as pessoas como se fossem inferiores, e que a razão só estava com ele. Acreditava que sempre tinha a versão correta das coisas, num senso enganoso sobre justiça. Uma pessoa tirana e insensível aquilo que não lhe pertencia. Porém sua imagem pública era impecável. De um homem forte e bem orientado. Entretanto, no fundo era inseguro e por isto, não aceitava idéias que fossem contrárias as suas. Ou seja, seus relacionamentos eram medíocres e hipócritas, pois as pessoas não podiam ser quem elas verdadeiramente eram, pois ficavam amedrontadas. Porém;

COMO JEREMIAS LIDAVA COM AS PESSOAS?
COMO ERA ESTAR COM ELE?

Eugene Peterson diz: 'Pessoas formam a vida de fé diária de Jeremias'. Noutras palavras, toda vida de fé proeminente ou obscura é desenvolvida num contexto de pessoas e nunca sozinho. Estes 3 homens abaixo, foram representativamente importantes na vida de Jeremias, e suas características, são encontradas em muitos líderes hoje;

1) JERIAS, o sentinela
a) Apenas estava fazendo o seu trabalho
b)Falso patriotismo
c) Usava a posição para escapar de suas responsabilidades
d) Era um burocrata, alguém que usa a posição para ferir e destruir alguém.
e) Apenas cumpria sua obrigação (tal qual um cão de guarda).
f) Usado pelos outros 

Jeremias havia avisado que o exército babilônico era o julgamento de Deus. E que o povo deveria submeter-se. Elas procuravam evitar a realidade do julgamento, de pensar em outras questões que não fossem o certo e o errado, pecado e irresponsabilidade. Uma das formas foi pensar em fidelidade e infidelidade. O patriotismo era uma forma de confundir o sentido de moralidade. ‘Nossa amada pátria esta sendo atacada e devemos ser fiéis a ela; em tempos de crise, não é certo fazer criticas aos lideres. Isto é infidelidade’. Jeremias tinha vivido 30 anos em Jerusalém e havia construido uma imagem de ser um amigo leal e fiel ao rei Josias. Para qualquer um que o conhece, sabia que ele não era um que virara a casaca. Um falso tirano traidor. Mas por causa de sua mensagem, foi assim considerado. Jerias conduziu Jeremias aos seus superiores, os príncipes, que o açoitaram e o trancafiaram no cárcere.  Aparentemente, eles aguardavam um momento para fazer isto, e o cão de guarda Jerias, foi o que precisavam. Adolf Eichmann, figura chave do assassinato de seis milhões de judeus na Alemanha Nazista, em seu julgamento em Jerusalém afirmou que não tinha nada contra os judeus, apenas estava fazendo o seu trabalho. Jeremias reagiu a Jerias com implacável resistência. Ele não ameaçou e nem rebelou-se. Mas também não era nenhum capacho sem vida. Ele afirmou a sua inocência e permaneceu firme; aceitou este estúpido ato de injustiça com tranqüilidade e perseverou em sua vocação. Encontramos este tipo de pessoa.  Diariamente pessoas sao atacadas, injuriadas, caluniadas por pessoas que apenas fazem sem sentido, pois nem ao menos elas tem consciência do 'por que' estão agindo assim.
Há um tempo, após um reunião que tive junto com algumas pessoas que se consideram 'lideres', um deles me disse; Me desculpe, nada contra você, apenas... Ou seja, apenas cumprindo ordem, sem saber o que fazer, sem uma posição definida, sem o caráter de pensar por si mesmo, manipulado pela sua posição de cão de guarda tal qual Jerias. 

2) ZEDEQUIAS, o Rei!
a) Marionete (de si mesmo e dos outros), apesar que não se considerava tal;
b) Inconstante;
c) Rodeava-se de pessoas que concordavam com o que ele dizia
d) Tinha receio do que os príncipes iriam dizer, assim como o povo
e) As vezes chama Jeremias para consulta-lo, mas nada durava muito tempo, pois era maleável. 
f) Assumia a forma que a circunstância exigisse ('jogava com dois pauzinhos').

O rei de direito (Jeoaquim) havia sido levado ao exílio em 598 a.C. Seu tio Zedequias foi o escolhido para ser o Rei (reinou por 11 anos). Ao longo período deste reinado, ele permaneceu em contato com Jeremias. O profeta esteve ligado ao irmão de Zedequias, Josias e seus filhos, os rei Jeoaquim e Joaquim. Zedequias nutria um sentimento ambíguo pelo profeta Jeremias. Ele sabia da integridade de Jeremias. No fundo, ele reconhecia o caráter de Jeremias. Mas o profeta era um grande embaraço para ele também. Zedequias foi uma prova incontestável de que boas intenções sao inúteis quando desacompanhada dum caracter desenvolvido.  Não nos tornamos pessoas integras apenas com o desejo de ser assim. Intenções amadurecem em comprometimento se nos tornarmos pessoas com definição, caráter e substancia. Após Jerias prender Jeremias, o rei Zedequias mandou chamá-lo para uma conversa em segredo. O rei tinha medo de estar com Jeremias. Mas tarde, os príncipes enfurecidos que Jeremias estava pregando de sua cela, mandaram coloca-lo na cisterna. O rei era um perfeito fantoche a mercê dos desejos dos que o cercavam. Apesar disto, não há indícios de que ele planejava o bem. ELE PENSAVA APENAS EM SI MESMO e em manter um boa imagem. A bondade não surgia naquele contexto. Afinal, ela requer cuidado constante, disciplina,  treinamento, longo desenvolvimento e Zedequias, não tinha essa capacidade. Talvez este rei, tenha sido uma das pessoas mais difíceis na vida de Jeremias. Josias, havia sido seu amigo. Jeoaquim, seu inimigo implacável. Já Zedequias não tinha forma definida.


3) EBEDE-MELEQUE, o Eunuco
a) Fiel
b) Salvador
c) Perceptível
d) Correu riscos
e) Amigo
f) Atitude

Ele era um estrangeiro. Um homem negro vindo da Etiópia e um funcionário administrativo no governo. Com ele, aprendemos 3 grandes lições;

a)Percepção
Quando ele soube que Jeremias tinha sido jogado na cisterna, ele percebeu que o profeta morreria lá, se não fosse retirado de lá a tempo. Embora a cisterna não havia água, era cheia de barro e lodo, e Jeremias estava afundando.
b) Atitude
Então o eunuco foi ate o rei e confrontou-o com a injustiça que ele havia permitido. O rei lhe deu uma autorização para efetuar uma operação de resgate. Ebede Meleque, levou 30 homens com ele, alem disto, foi até o guarda-roupa do palácio e tomou roupas usadas e trapos, rumando para a cisterna.
c) Livramento
Ele desceu as roupas e trapos até o fundo da cisterna, e instruiu para que colocasse nas axilas a fim de não ser ferido pelas cordas quando fosse retirado. Ebede Meleque pensou em tudo, até mesmo na integridade física do profeta. 

Jeremias teve amigos em sua jornada ministerial. Sob o reinado de Jeoaquim, o profeta foi quase morto, se não fosse a intervenção de Aicão, filho de Safa (Jr 26.24). Baruque, era seu discípulo e secretario. Leal e fiel, sempre junto ao profeta em tempos difíceis. Ebede-Meleque, o eunuco etíope, veio em seu socorro. Henry Adams escreveu: ‘um amigo durante a vida é bom; dois é muito e três, algo difícil de ocorrer’. Jeremias teve TRÊS, algo difícil de ocorrer. O eunuco arriscou a sua vida para defender o profeta. Por ser estrangeiro, ele não possuía qualquer direito legal. Não obstante, estava indo contra a opinião popular em uma crise histérica em tempos de guerra. Nada disso importava. Um amigo é um amigo. Ele não ficou de braços cruzados em vã piedade por Jeremias. ‘Coitadinho dele’, vai acabar se dando mal. Tenho até dó dele’. Ele não ficou lamentando filosoficamente o destino do profeta. Antes, ele foi ate o rei, preocupou-se até mesmo para que o profeta não se ferisse. Apresentou-se para o socorro e participou ativamente no resgate. Isto sim é uma atitude digna. Certa vez, ouvi de alguém a seguinte orientação; não fique ao lado desta pessoa, porque mancharás teu ministério.  Na verdade, é para estas horas, de dificuldades que devemos exercer nosso ministério. Não para quando tudo esta bem. Se somos lideres, pastores, devemos dar exemplo como pessoas que não abandonam os outros em necessidade. Mas caminhamos juntos, acreditando que podemos ajudar, mesmo assim, preservando nossa integridade. Não acolhendo erros, mas tratando-os.  Para alguns naquele palácio, a amizade era mais importante que o emprego, que a  opinião publica, ou do que obter vantagem egoísta. Acima de tudo, um amigo significava um elo, um compromisso no qual valia a pena arriscar-se. 

Jeremias demonstra que precisava de amigos. Ele era bem resolvido em sua vida interior. Era impossível demove-lo de seu curso por inimizade ou bajulação. Jeremias estava habituado a solidão. Integridade não é sinônimo de auto-suficiência. A vida plena e íntegra não pode ser vivida com uma independência arrogante.  Nosso objetivo não pode ser viver sem auxilio algum. Uma das evidencias da integridade de Jeremias foi a sua capacidade de receber amizade, de permitir que outros lhe ajudassem, de ser acessível a compaixão. É muito mais fácil estender a amizade do que recebê-la. Pois ao estende-la, demonstramos forca, mas ao recebê-la, demonstramos fraqueza. Entretanto, pessoas bem resolvidas intimamente jamais se escondem atrás de dogmas ou projetos, mas estão abertas a um amplo espectro de amizades. As idéias teológicas e as causas nobres defendidas pela vida de Jeremias, jamais permaneceram ou se tornaram abstratas, mas foram forjadas com gente, pessoas que possuíam um nome. Ele nunca utilizou rótulos que reduziam pessoas a categorias impessoais (o auxiliar, diácono, presbitério, evangelista, pastor auxiliar..).  É muito fácil encontrar gente insegura utilizando de seus títulos para impor respeito e/ou colocando pessoas a uma posição inferior a deles. Por isto não se constitui nenhuma surpresa descobrir que há mais nomes pessoais no livro de Jeremias que em qualquer outro livro da bíblia.   

Por tanto, novamente, não ignores os Sentinelas, o Rei, mas concentre-se em localizar verdadeiros Ebede-Meleque em sua vida. 

Abraços!